Detalhamento de RAMALHO LEITE ESCREVE: DE MESTRE ESCOLA A PRESIDENTE (3)

RAMALHO LEITE

DE MESTRE ESCOLA A PRESIDENTE (3)

 

 

Sobre o que marcou o governo de Solon de Lucena, no interior, já fiz menções ligeiras. Na Capital, além do início das obras de saneamento, seu governo é lembrado pela ação da prefeitura, através do prefeito Walfredo Guedes Pereira, mesmo quando as verbas eram estaduais. É desse tempo a Praça Vidal de Negreiros e a atual avenida Guedes Pereira. O Parque Arruda Câmara (Bica), a praça da Independência  e a avenida Maximiano de Figueiredo que abriu caminho para uma nova cidade, em direção ao mar. A Lagoa dos Irerês, cercada pelo parque que receberia o nome de Solon de Lucena, não ganhou, de logo,  a feição que encanta os visitantes há muitos anos. A Guedes Pereira se deve a iniciativa de criar o parque e desapropriar os terrenos. A arborização foi obra do prefeito João Mauricio de Medeiros, no período de  João Suassuna e a urbanização, foi iniciada no governo de Argemiro de Figueiredo quando era prefeito Osvaldo Trigueiro de Albuquerque Melo. À época, não se falava ainda em preservar o patrimônio histórico, daí Guedes Pereira não ter se apiedado de algumas de nossas antigas igrejas, como a das Mercês, do Rosário e Mãe dos Homens, derrubadas para abrir passagem a novas avenidas. Esses templos ressurgiriam em novas versões.

A Paraíba de Solon de Lucena, por motivos óbvios, foi a grande beneficiária da obra de Epitácio Pessoa. Ao assumir a presidência da Nação, o ilustre paraibano prometeu eliminar o crime que se cometia contra o nordeste, deixando-o entregue à própria sorte ou à má sorte. Desse propósito surgiriam as Obras Contra as Secas quando o governo federal conseguiu aplicar mais de dez por cento das suas receitas em açudagem, estradas de ferro, de rodagem, e portos. Destaque-se que o polígono das secas de então não alcançava a Bahia e Sergipe, sobrando benefícios para o Ceará e à Paraíba, principalmente. “Nunca se vira tanto serviço público de uma só vez”, admira-se Osvaldo Trigueiro em, “A Paraíba na Primeira República”. Para ele, depois do governo de Epitácio “passamos a nos sentir mais brasileiros”.  Em três anos, a face da Paraíba mudou  e o sertão integrou-se ao restante do nosso território. O transporte que, até então, era feito no lombo de burros, já se fazia de automóvel ao serem concluídas as estradas que cortariam o estado, mesmo de má qualidade. Epitácio cumpriria sua promessa de tentar melhorar a vida do nordestino. Teve, porém, que conviver com a “desonestidade de uma época”, como lamentaria Apolônio Nóbrega, em Historia Republicana da Paraíba.

A corrupção no Brasil vem desde o descobrimento. Os donos das terras descobertas por Cabral - os índios, foram os primeiros corrompidos pelos portugueses, ávidos de encontrar pedras preciosas. Em troca de bugigangas, os índios facilitaram a vida dos colonizadores. O nepotismo, outra praga nacional, já está na carta de Pero Vaz de Caminha, quando pede proteção a El Rei para seu genro desterrado e  que merece voltar à Corte. No Império a proteção dada por Pedro II às empresas do Barão de Mauá, daria fôlego a muitas CPIs. E o Banco do Brasil, cujo capital, D.João VI levou na bagagem no seu retorno a Portugal? Na Velha República como na Nova, o costume de tirar vantagem do poder, seria arraigado às nossas entranhas. Tanto Epitácio como Solon tiveram seus esforços pelo desenvolvimento do nordeste embaraçados pela ação malfazeja de correligionários e até alguns parentes, não se registrando a participação ou o conhecimento pessoal deles nos desvios apontados nas obras contra as secas. Os erros resultaram da forma de contratação da obra, concedendo-se dez por cento ao executor, de modo que, quanto mais se gastasse na obra, mais ganhava o empreiteiro. Não havia orçamento prévio.

Para explicar melhor essas ocorrências e a sua gravidade, passo a palavra ao autorizado Osvaldo Trigueiro de Albuquerque Mello: “E o pior era que os contratantes dos trechos de estradas não eram empresas especializadas, porém os doutores e coronéis da política, a quem o governo dava, de mão beijada, dez por cento sobre o custo das obras.Eram administradores que nada entendiam de engenharia, não entravam com um centavo de capital, não corriam qualquer risco no empreendimento.Porque os serviços eram organizados e dirigidos pelos funcionários das Obras Contra as Secas, de sorte que tudo o que os supostos administradores faziam era receber a generosa comissão”. Para o mesmo autor, era uma espécie de “loteria de bilhete premiado” contemplando os apaniguados do poder dominante. E conclui, argumentando que, se no Império os chefes das missões diplomáticas recebiam comissões sobre os empréstimos que negociavam, não há por que se admirar que no Nordeste, fossem admitidos como legítimos os prêmios que o governo oferecia aos amigos, tudo devidamente formalizado. A propina, então, era  legalizada.

Tanto Solon, que morreria um ano após deixar o governo,  como Epitácio, que nunca mais voltou à Paraiba,  assumiram o executivo sem experiência administrativa anterior. Homens de gabinete, desconheciam os caminhos tortuosos das execuções de suas ordens. Em conseqüência, a honesta e extraordinária decisão de ambos, no caso das obras contra as secas, foi  tolhida pela ambição desmedida e  desobrigada de critérios de alguns áulicos do poder, ávidos em enriquecer ilicitamente. Como se vê, só há uma  diferença entre o passado e o presente: a corrupção antes era em preto e branco, agora, é ao vivo e a cores.

COMENTE





Mais

15/09/2017 RAMALHO LEITE ESCREVE: O QUE NÃO CONSTA NO RELÓGIO DE ALUIZIO

Ainda estudante de direito, Aluízio Afonso Campos pretendia ingressar na política no vizinho estado do sul. A reação familiar e campinense, tornou-o candidato à Assembleia Constituinte Estadual de 1934, abraçando o Partido Progressista da Paraíba, onde José Américo de Almeida pretendia acolher perrepistas e liberais interessados em pacificar o Estado após a revolução de 30. Foi sua primeira investida na política partidária e durou até o Estado Novo dissolver o Poder Legislativo. Em 1950, candida


24/08/2017 RAMALHO LEITE ESCREVE: TERRA À VISTA

Quando Cabral aportou nas costas da Bahia e, das naus de sua esquadra avistou-se um monte alto a que se denominou Monte Pascoal, começou a nascer um país que, quinhentos anos depois, ainda refletiria a semente plantada naquela terça-feira, 21 de abril. Não me acanho de repetir o lugar comum de que, a qualidade da gente trazida para ficar e se misturar com os índios não germinaria bons frutos. Pero Vaz de Caminha mandaria dizer a dom Manuel, o Venturoso, que o Capitão “mandou com eles (os índios)


18/08/2017 UM PARAIBANO DE CAICÓ; RAMALHO LEITE ESCREVE

O menino nasceu em Caicó, no vizinho estado do Rio Grande do Norte, pelos idos de 1923, em um dia 13, desafiando a data aziaga. Antes dele, morreram dois irmãos com o mesmo nome. Ele escapou depois de ultrapassar o primeiro ano de vida, sendo o quinto, de uma prole de nove nascidos da união de Francisquinho com Besinha, apelido de Isabel. O pai poderia ser encontrado com o sobrenome de Saldanha ou Sapateiro. Era um liberal, febre que costumava atingir os trabalhadores autônomos. Esse Saldanha ti


21/07/2017 RAMALHO LEITE ESCREVE: A FESTA DA PADROEIRA

Falei antes na Festa da Padroeira de Borborema. Merece um capítulo. A comunidade católica de Borborema tem a proteção de Nossa Senhora do Carmo, sua padroeira. A igreja, situada no ponto mais alto da cidade, foi aos poucos melhorada. Não se tem precisão da data de sua construção. A sua única torre eu me lembro quando surgiu. Há fotografias da cidade, onde aparece o trem da Great Western parado para abastecer com água a Maria Fumaça, com o local da igreja ocupado, apenas, pela mata de eucaliptos.


14/07/2017 RAMALHO LEITE ESCREVE: AS COROAS DE DOM PEDRO

É da autoria de Sergio Corrêa da Costa e tem o prefácio de Osvaldo Aranha, ambos diplomatas, o livro “As Quatro Coroas de D.Pedro I”. A nossa história proclama que D.Pedro de Alcântara, da Casa de Bragança, foi deixado pelo pai, D.João VI, tomando conta da Colônia desde a data em que regressou a Portugal. Quando declarou o Brasil independente, D. Pedro foi ungido Imperador e ostentou sua primeira coroa. Nesse mesmo ano de 1822, a Grécia teria lhe oferecido o cetro e a oportunidade de governar aq


16/06/2017 RAMALHO LEITE ESCREVE: NOSSO PRIMEIRO GOVERNADOR

A notícia da deposição da Família Real chegou à Parahyba por telegrama. A República estava nascendo, mas por aqui, não havia um republicano para recebê-la. O paraibano Albino Meira, professor da Faculdade de Direito do Recife e único defensor da República entre nós, foi candidato à Assembleia Geral do Império e obteve míseros vinte e quatro votos. Confirmado o golpe militar comandado por Deodoro da Fonseca, assumiria a chefia do executivo o tenente-coronel Honorato Caldas que por doze dias tumul


22/05/2017 COMO SE FAZIA UM SENADOR:ESCREVE RAMALHO LEITE

Tudo remonta a Roma, inclusive o Senado. O nome vem do latim. Sen,senex,senior que, etimologicamente, significa velho, idoso. Entendia-se, então, que os mais idosos seriam os mais sábios. Aqui se entendeu que eles deveriam ser os “mais sabidos”. Da mesma origem, vem a palavra senilidade. Na sua verve, Dorgival Terceiro Neto costumava dizer que, para ser senador era preciso já ter feito três operações: cataratas, próstata e hemorróidas. Os tempos mudaram e o Senado já aceita até não operados de


22/05/2017 A ESCOLA NO TEMPO DO IMPÉRIO: ESCREVE RAMALHO LEITE

A valorização da instrução pública era uma das prioridades do Império. Os governantes que passaram pela direção da província da Parahyba do Norte deixaram registrada essa preocupação primeira. Quando Pedro II visitou esta província, no Natal de 1859, nas cidades onde esteve, preocupou-se em conhecer as condições das escolas existentes. Seu exemplo foi seguido pelo gaúcho Silva Nunes, primeiro presidente a percorrer o nosso interior que, recebido nas câmaras municipais, inspecionava as escolas ma


31/03/2017 RAMALHO LEITE ESCREVE: O FUNDADOR DA REPÚBLICA

Há quem diga que a República, entre nós, nunca foi proclamada como nos contaram na escola primária. O marechal Deodoro da Fonseca, tido e havido como comandante do golpe militar que derrubou Pedro II, teria, apenas, diante do fato consumado e anunciado pelo jornal de José do Patrocínio, aceito as circunstancias e assinado o decreto que instituiu o Governo Provisório da república federativa dos estados unidos do Brasil. Um paraibano assinou o decreto Numero Um, logo após a assinatura de Deodoro:


24/03/2017 RAMALHO LEITE ESCREVE: O ULTIMO PRESIDENTE DA PARAHYBA

Pelo decreto número 01, de 15 de novembro de 1889, que instituiu a República Federativa do Brasil, as antigas províncias imperiais passaram a se denominar estados. Seus gestores seriam chamados de governadores e nomeados na qualidade de delegados do governo provisório que se estabelecera sob a chefia do marechal Deodoro da Fonseca. A primeira Constituição republicana, de 24 de fevereiro de 1891, mudou a designação dos administradores estaduais para presidentes de estado. Assim, o primeiro gove


17/03/2017 RAMALHO LEITE ESCREVE: O TRABUCO VENCEU A LEI (3)

Já vimos como chegou ao povo gaúcho e aos mineiros, a noticia da morte de João Pessoa. Na capital federal, o jornal A Noite fez circular, na segunda feira, dia 28 de julho, uma edição especial. O crime ocorrera no sábado, no Recife. Essa a manchete de primeira página: “O assassínio do Presidente João Pessôa”, com os subtítulos: “A surpresa e a rapidez da aggressão-A arrogância do criminoso-Detalhes das ocorrências em Pernambuco”. E acrescentava em tipos menores: “O corpo do chefe do Poder Execut


10/03/2017 RAMALHO LEITE ESCREVE: O TRABUCO VENCEU A LEI (2)

A minha narrativa sobre os acontecimentos que culminaram com a morte do presidente João Pessoa, prende-se mais à forma como essa infausta noticia foi recebida fora dos limites paraibanos. Já vimos como o povo gaúcho, com Getúlio Vargas à frente, foi surpreendido. Interessa-me agora registrar, como o outro parceiro da Aliança Liberal, o estado de Minas Gerais reagiu ao sacrifício de João Pessoa, naquele 26 de julho de 1930. Além de associar-se à bancada gaúcha nas manifestações de pesar, os parl


03/03/2017 RAMALHO LEITE ESCREVE: O TRABUCO VENCEU A LEI (1)

Era julho de 1930. Na Capital da Parahyba, a Escola Normal e o Liceu Paraibano eram os estabelecimentos de ensino mais avançados. O estado estava convulsionado com a rebelião surgida no município de Princesa Isabel, declarado “território livre” pelo deputado e coronel José Pereira Lima. Era presidente da Parahyba o ex-ministro do Tribunal Militar, João Pessoa Cavalcanti de Albuquerque, sobrinho do ex-presidente Epitácio Pessoa. Para combater os rebeldes, faltava ao presidente o indispensável a


24/02/2017 RAMALHO LEITE ESCREVE: ASCENSÃO E QUEDA DE CAMILO DE HOLANDA

Na primeira República, após a vitória de 1915 que lhe deu a chefia política do Estado, Epitácio Pessoa indicou Francisco Camilo de Holanda para mandatário da Parahyba. Sua escolha não foi das mais pacíficas. Encontrou barreira no irmão de Epitácio, coronel Antonio Pessoa, que o detestava. Antonio Pessoa era o vice-presidente do Estado em exercício, face à renúncia do presidente Castro Pinto. A escolha de Camilo irritou Antonio Pessoa a tal ponto que o fez abandonar o cargo e retirar-se para


17/02/2017 RAMALHO LEITE ESCREVE: O DIA EM QUE QUEIMARAM A UNIÃO

O presidente Solon de Lucena realizou, na Parahyba, um dos mais operosos governos de que se tem notícia, na República Velha. Também pudera! Na presidência da nação estava seu parente e chefe, Epitácio Pessoa. Este, paraibano de Umbuzeiro, aquele, de Bananeiras. O jornal Cidade de Bananeiras, edição de 19 de junho de 1908, dá notícia da presença do mestre-escola Solon, ao lado do também professor Álvaro de Carvalho, no encerramento do semestre letivo do Instituto Bananeirense, renomada escola l



1 de 15 de 432 registros Clique para avançar